expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

"A verdadeira sabedoria para vivermos neste planeta, consiste em percebermos que este é um grande e frágil ser vivo, se pensarmos em relação a vastidão do Cosmos.

Cada planta e animal, faz parte de um complexo sistema de inter-relações onde a mais frágil das criaturas tem o seu papel para manter o equilíbrio e a vida na Terra.

Quando entendemos e assimilamos esta realidade para nossas vidas, tudo se torna compreensível, belo e sua interação com a natureza é plena."

30 de novembro de 2017

A ÁRVORE DE MIL CORES






À primeira vista, pode parecer que a árvore que ilustra este artigo tenha sido alvo de alguns grafiteiros. Contudo, a cor variada, que olha seu tronco é totalmente natural. Como se lê no "Gestão Ambiental" blog, esta curiosa árvore pertence à espécie "Eucalyptus deglupta". Sua característica mais marcante é precisamente a coloração vistosa do seu tronco, que o levou a ganhar o apelido de "arco-íris Eucalyptus". Na verdade, o nome da espécie ", deglupta" deriva de uma palavra latina que descreve o processo de muda em função da separação da casca.Nativa do sul das Filipinas, Indonésia e Nova Guiné. Hoje em dia, podem ser encontradas em várias regiões tropicais,como Porto Rico, porque cresce muito rápido em terra ensolarada, úmido e boa drenagem. Em condições ideais, pode crescer até três metros em um ano. É claro, sua cor marcante natural faz com que uma árvore ornamental muito apreciada em jardinagem e, provavelmente, o habitante de qualquer perfeita Enchanted Forest.




Sua área natural ocupa-Nova Guiné, Nova Bretanha, Mindanao e Sulawesi.

Sua característica mais marcante 

é a 

coloração variada do tronco.


Ao mover a casca anualmente, mas em momentos diferentes, o verde escurece interiormente para dar azul, roxo, marrom, laranja, rosa, ocre e muitos mais, como você pode ver nestas fotos. 

Evergreen pode crescer até três metros em um ano e é cultivada em todo o mundo.



Fonte:http://grupoconscienciaviva.carvore-de-mil-cores/


29 de novembro de 2017

A FLORESTA VIVA

A floresta é uma rede complexa de formas vitais interdependentes - mas ainda assim rica em significados para o meditador. A iluminação da floresta é suave e difusa, muitas vezes salpicada de sombras onde os raios de sol se infiltram por entre as folhagens. Essa luz esverdeada, combinada com uma silenciosa quietude, pode nos dar até mesmo a sensação de estar debaixo d'água. Porém, se aguçamos os ouvidos, notamos que a floresta não é silenciosa. O roçar das folhas, os arrulhos e guinchos das pequenas criaturas e o canto agudo dos passarinhos fazem, todos eles, parte da experiência sensorial. O aroma penetrante das folhas e das cascas das árvores, da terra e do barro desperta o nosso olfato, suscitando lembranças e evocando emoções a elas associadas.
A floresta representa abrigo ou refúgio, embora também preserve uma atmosfera de mistério que nos ajuda a entrar mais em sintonia com o mistério infinito do eu espiritual.
Os sábios e ermitões de muitas histórias de cunho espiritual se refugiam na floresta para sentir a simplicidade da vida em meio à natureza. Na floresta é possível encontrar tudo de que precisamos para sobreviver: abrigo, combustível, comida. Na transitória floresta, os ciclos da natureza são claramente visíveis. Meditando sobre uma folha ou semente, por exemplo, podemos abrir uma vereda que nos leve para o núcleo sereno do nosso próprio ser.

Texto extraído do livro: Mandalas da Natureza

28 de novembro de 2017

COMPORTAMENTO HUMANO E OS REINOS DA NATUREZA

VEGETARIANISMO
A questão mais profunda da alimentação está no mistério de uma “Inteligência Multidimensional” que interliga os elementos constituintes do planeta na direção evolutiva que nos encaminha a uma harmonização e equilíbrios necessários. A anatomia holística do ser humano inclui uma série de elementos dos mais variados reinos (mineral, vegetal, animal, humano, etc.) e, para que o homem possa elevar a sua consciência, necessita ir se harmonizando com cada reino do planeta, tanto no seu mundo externo quanto no reflexo interno da sua constituição holística. Desta forma, o homem deve aprender a se relacionar amorosamente com todos os Reinos da Terra compreendendo os seus propósitos originais, respeitando-os e assumindo também a sua posição harmônica dentro desta “Rede Interdependente de Vida”. A alimentação vegetariana entra, neste ínterim, como uma prática que se encaminha para esta harmonização. Sem um estudo do próprio corpo humano (anatomia, histologia, fisiologia dos sistemas, etc.) e sem um estudo dos propósitos dos reinos paralelos para a Terra, um 'buscador espiritual' sentirá grandes dificuldades de encontrar a harmonia ou a paz que deve estar aspirando. A própria natureza das energias superiores mais sutis não encontram espaço de manifestação, em um corpo humano que ainda esteja carmicamente desarmonizado ou em débitos atemporais com os Reinos da Terra. Como um espelho perfeito, o ser humano terrestre traz em si, internamente, os reflexos externos da sua experiência individual e também coletiva com todos os elementos existenciais dos mais variados reinos deste planeta. Desta forma, um meio de se harmonizar não só com o Reino Animal, mas com todos os outros reinos está numa prática consciente dos propósitos da alimentação vegetariana. 
Extraído do Livro: (Do livro “COMANDO ESTRELINHA, Temas Transcendentais”, Horácio Netho, Ed. Alfabeto)

Quando o homem atinge esse discernimento quanto a forma correta de se alimentar e a harmonia na interação com os reinos, aí sim, é capaz de se conscientizar do seu papel, ajudando os representantes do reino animal. 


De acordo com o plano evolutivo para a nova humanidade, o homem possui a condição de se relacionar com os animais nos planos sutis, de tal forma, que poderá contribuir em seu estágio evolutivo. Os animais deixarão de manifestar sua coletividade instintiva para prepararem seus corpos com o objetivo de se individualizarem e sendo assim, iniciarem o contato com suas almas.