expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

"A verdadeira sabedoria para vivermos neste planeta, consiste em percebermos que este é um grande e frágil ser vivo, se pensarmos em relação a vastidão do Cosmos.

Cada planta e animal, faz parte de um complexo sistema de inter-relações onde a mais frágil das criaturas tem o seu papel para manter o equilíbrio e a vida na Terra.

Quando entendemos e assimilamos esta realidade para nossas vidas, tudo se torna compreensível, belo e sua interação com a natureza é plena."

19 de dezembro de 2014

NUVENS E PENSAMENTOS


O céu é o nosso portal para os espaços infinitos do universo. No nível humano, ele pode ser comparado aos vastos e inexplorados domínios da mente. Por extensão, as nuvens são como os pensamentos, que afloram, vagam pelo nosso campo visual, agrupam-se e depois se dissipam no silêncio sem fronteiras do eu espiritual. Quando olhamos para o céu, temos a impressão de que flutuamos para longe e nos faz divagar, descontraídos, rumo à consciência ampliada do nosso lugar num universo que está muito além do que podemos calcular ou até mesmo imaginar.
As nuvens podem formar semimandalas interessantes - sejam elas cumulus roliços, com vales e picos suaves; ondulações num céu encarneirado; delicados cirus, como fios de cabelo sedosos flutuando na estratosfera, ou nimbostratus cinzas e carregados de chuva, que nos envolvem como um cobertor e nos lembram de que a água é a fonte da Vida.

Texto extraído do livro: Mandalas da Natureza

17 de dezembro de 2014

O SIMBOLISMO ANIMAL


O simbolismo animal está profundamente gravado em nosso inconsciente coletivo. Herdamos sentimentos e recordações inconscientes que condicionam nosso comportamento consciente. Nas religiões antigas existem registros de rituais do homem e do animal em todos os hemisférios. Exemplos como Ganesha, a divindade hindu, forma humana com cabeça de elefante; no Egito, Thot, forma humana com cabeça de falcão; o peixe e a ovelha no cristianismo. Na mitologia grega, entre os fenícios, maias, astecas, índios norte-americanos, na Sibéria, nos cultos africanos, no Perú, entre os aborígenes australianos, entre os esquimós, índios brasileiros, no taoísmo e etc. Na astrologia os símbolos astrológicos são animais, como também na astrologia chinesa. Nos chacras, há para cada vórtice um animal que carrega o bija ( O Mantra Semente ) . A Kundalini é representada por uma serpente. 
O simbolismo animal também está presente em todas as linhas de ocultismo, na alquimia, nas cartas de Tarô, nas Runas, no I Ching, etc. 
Desde tempos imemoriais as pessoas procuram por visões e mensagens do Grande Espírito. A forma mais comum desde então é o contato mais íntimo com a natureza através de uma interação com os animais, as plantas e as pedras. Destes eram absorvidas mensagens que orientavam nos dando direção, proteção e cura, nos ajudando em nossa sobrevivência e harmonia com a Mãe Terra. 
Dos animais poderia-se tirar e entender mais mensagens que eram aprendidas a partir da simples observação de seu hábitos e interação com o ambiente. De uma águia podemos retirar a lição de liberdade, coragem, foco, altos ideais, visão de poder e espírito. 
Os animais podem nos ensinar muito. De suas qualidades podemos aprender o que está faltando ou sendo mal direcionado em nós. Portanto tudo que você tem a fazer é prestar atenção na mensagem de cada animal pois estes podem nos refletir nossas próprias características. Ocorrências de sincronicidade se tornam freqüentes nos alertando para estas mensagens. Existem vários métodos de conecção e comunicação destas fontes inesgotáveis de conhecimentos e harmonia que podem ser percebidos pela simples aparência, atividade ou comportamento de um animal. 
Um animal de poder pode ser um mamífero, um pássaro, um peixe, um inseto ou um réptil. 
A NATUREZA ESPERA QUE NÓS POSSAMOS INTERAGIR COM SEUS REINOS
Texto extraído do livro: Simbologia Animal e Animais de Poder

15 de dezembro de 2014

NATUREZA


 A Inspiração


Muitas pessoas optam por viver em meio à natureza para se nutrir de bons pensamentos. O psicanalista suíço-alemão Carl Gustav Jung (1875-1961), cujas ideias abriram os horizontes da mente e ampliaram o nosso conhecimento da vida interior, era um defensor do poder terapêutico da natureza. Jung fazia questão de morar perto de uma porção de água, que ele considerava um símbolo do inconsciente coletivo e da sabedoria intuitiva. Jung foi profundamente influenciado por Blake, Wordworth, Coleridge e Goethe, poetas românticos que escreviam sobre a necessidade que a alma sente da beleza do mundo natural. Tipicamente, de acordo com a visão de mundo romântica, não existe separação entre a natureza e o espírito. 
Essa profunda afinidade, contudo, já era reconhecida muito antes do século XIX. Lao Tsé, filósofo chinês do século VI a.C. e autor do Tao Te King, livro que inspirou tantas pessoas, associou o mundo natural aos atributos humanos e fez dos seus versos instruções para uma vida de retidão. Ele escreveu sobre o Tao, a força vital misteriosa e abrangente. Quando entramos em sintonia com a natureza, podemos perceber essa força vital fluindo através de muitas formas naturais. " O bem supremo é como a água", escreveu ele. " A água dá vida a dez mil coisas e não disputa. Ela flui por lugares que o homem abomina e por isso abeira-se do Tao".